Terapia política. Introspecção psicossocial. Análise simbólica.

27 outubro 2009

[1053] As palavras dos outros (62): morrer preso pela liberdade dos outros

"A morte de cada homem diminui-me, porque eu faço parte da humanidade. Eis porque nunca pergunto por quem dobram os sinos: é por mim [e por ti]."
[John Donne (1572–1631), cit. por antonio, comentário a "Façam o que diz Vítor Dias: apliquem a mesma armadilha às “bonecas” do PS e PSD (e, porque não?, obriguem as “Jugulares” a responder a estas questões: não sabem uma!)", Carlos Vidal, 5 dias, 24-10-2009]

3 comentários:

Anónimo disse...

Acha graça ao Sampaio à frente.
É tudo tão surreal neste blog.

Núncio disse...

Os votos são os leitores que decidem.
Aqui não se filtra nada. Só a má educação.

Anónimo disse...

"Não há pior analfabeto que o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. O analfabeto político é tão burro que se orgulha de o ser e, de peito feito, diz que detesta a política. Não sabe, o imbecil, que da sua ignorância política é que nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, desonesto, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."

Bertolt Brecht (1898-1956)

Arquivo do blogue

Seguidores